Todos terão que ceder, diz Robério sobre demissão de vigilante

20 de Junho de 2016 às 15:31
Assessoria Robério Negreiros/ReproduçãoASSESSORIA ROBÉRIO NEGREIROS/REPRODUÇÃO

Tucano pretende convencer a categoria a abrir mão de algumas conquistas e provar ao governo que não é possível reduzir valor dos contratos

A queda de braço entre os 600 vigilantes demitidos e o Governo do Distrito Federal terá um novo intermediador. O distrital Robério Negreiros (PSDB), que atua na área patronal do segmento de segurança privada do GDF, quer tentar reverter as demissões dos trabalhadores. Para isso, ele proporá que a categoria abra mão de algumas conquistas alcançadas ao longo dos últimos anos para manter os postos de trabalho.
 
O objetivo da conversa com o governador é propor que empregados sejam readmitidos e realocados em novos postos ou nas mesmas vagas que estavam antes do corte.

“Eu espero que o sindicato e os trabalhadores entendam que para manter empregos precisam haver ajustes, pois o custo de um vigilante é alto. O que é pior em tempos de crise: perder alguns avanços ou o emprego por falta de ter condições de os deputados manterem os postos de trabalho”, declara Robério Negreiros, que afirma que o salário somado aos encargos chega a R$ 8,5 mil mensais.

O deputado pretende ainda se reunir com os sindicatos que defendem a categoria e outras que estão ameaçadas, como a de limpeza e manutenção, segundo o próprio parlamentar. “Temos que acabar com essa história ‘deles contra nós’ e nos unir. O governo fará nos próximos dias, e isso é certo, novos cortes de postos de trabalho. Precisamos reverter essa situação, pois 80% dos recursos usados para pagar essas pessoas vem do governo”, argumenta o neotucano.

Categoria é contra
Representante dos trabalhadores da segurança privada na Câmara Legislativa e adversário político de Robério, Chico Vigilante (PT) critica a proposta do colega de Casa. Para ele, a proposta pode mais prejudicar os profissionais do que os ajudar.

“Os sindicatos existem para ajudar a melhorar salários e não para serem coniventes com a retirada de direitos. A pretexto de ajudar 600 trabalhadores, eles vão prejudicar 15 mil”, critica o petista, que continua: “Os vigilantes já são mal remunerados, além de correr todo tipo de risco, e ainda sofrem com a inflação. Como eles vão ganhar menos e conseguir comprar um saco de feijão que custa R$ 11. Nós já sugerimos que os empresários abram mão de 10% dos lucros. Seria a forma mais eficaz e a melhor medida social. O que queremos é que o governo mantenha os empregos até a conclusão da licitação”.

Redução de gastos
Robério conta ainda que o governo está chamando as empresas para avisar que está realizando o corte de 10% nos contratos a fim de manter o pagamento. Entretanto, o distrital afirma que isso é praticamente impossível em alguns casos, especialmente na área de vigilância. Segundo o parlamentar, em cada um dos postos, são necessários quatro profissionais, para que se cumpra a carga de 12 horas de trabalho por 36 de descanso, como prevê a lei.

Fonte: Portal Metrópoles - Por: Susano Almeida

Link de acesso: http://www.metropoles.com/distrito-federal/politica-df/todos-terao-que-ceder-diz-roberio-sobre-demissao-de-vigilantes