Vigilante morto em assalto a carro-forte tinha mais de 20 anos de profissão

17 de Fevereiro de 2016 às 14:07
Foto: Guto Kuerten / Agencia RBS

Eder James Correa da Silveira, 52 anos, o vigilante do carro-forte morto em um assalto ao lado do supermercado Angeloni, nesta terça-feira, em Florianópolis, tinha mais de 20 anos de profissão, era casado e pai de dois filhos.

Amigos e colegas de profissão de todo o Estado dividiram o clima de luto, revolta e dor com a morte, que aconteceu durante uma troca de tiros com uma quadrilha que agiu ao meio-dia, em plena lateral da Avenida Beira-Mar Norte, na Agronômica.

Também morreu no confronto um dos assaltantes identificado como sendo Carlos Eduardo Tomaz, o Cadu, 18 anos. A polícia suspeita que a quadrilha seja do Morro do Horácio e procura pelo menos quatro assaltantes.

— O pessoal fica revoltado (com a morte). É uma atividade de risco e começaram os assaltos a carro-forte de novo em Florianópolis, assim como em todo o país — lamentou Vilson Soares, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Serviços de Carro-Forte, Guarda, Transporte de Valores e Escolta Armada de Santa Catarina.

Há uma reivindicação também do Sindicato dos Empregados em Empresas de Vigilância e Segurança Privada pela existência de lugares adequados e fechados para o remanejamento dos malotes com dinheiro, a fim de aumentar a segurança. Segundo Soares, há uma lei municipal (402/2011) em Florianópolis que prevê essa medida.

Este foi o segundo assalto a carro-forte em menos de dois meses em Florianópolis. O outro ataque aconteceu na tarde de 24 de dezembro no supermercado Bistek, na Costeira, quando assaltantes levaram malotes com R$ 300 mil.

 

Fonte: Diogo Vargas - Diário Catarinese

Link de acesso para a matéria: http://dc.clicrbs.com.br/sc/noticias/noticia/2016/02/vigilante-morto-em-assalto-a-carro-forte-tinha-mais-de-20-anos-de-profissao-4976717.html

 

Redação FENAVIST
Flávia Di Ferdinando
Lorena Braga