Fenavist participa de programa que visa dar oportunidade aos beneficiários do Programa Bolsa Família

27 de Setembro de 2017 às 09:49
Foto: Beto Barata/PR

A Federação Nacional das Empresas de Segurança Transporte de Valores (Fenavist) assinou Termo de Compromisso com o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) para ser uma das parceiras do Plano Progredir. Lançado pelo governo, no dia 26 de setembro, a iniciativa é um conjunto de ações integradas que pretendem quebrar barreiras e facilitar o acesso aos beneficiários do Programa Bolsa Família a oportunidades de emprego e renda, por meio de medidas que aumentem e fortaleçam a inserção e permanência destas pessoas no mercado de Trabalho.  A meta é “emancipar” até um milhão de famílias do programa nos próximos dois anos.

Ações de capacitação, incentivo ao empreendedorismo e acesso ao mercado de trabalho, além de microcrédito anual de R$ 3 bilhões, fazem parte da iniciativa. Na qualificação profissional, está prevista a criação de vagas em cursos de formação inicial ou continuada. Entre eles, aulas pela internet de inclusão digital com foco nos jovens e oficinas de educação financeira para mais de 100 mil famílias. O Pronatec Oferta Voluntária terá um milhão de vagas.

Já a intermediação de mão de obra prevê o cruzamento de currículos e de vagas de emprego oferecidas por empresas parceiras, de forma regionalizada. É nessa área que a Fenavist atuará. No termo que assinou, a Federação se compromete a incentivar as empresas do segmento a disponibilizarem 10% das novas vagas de trabalho no Portal de Intermediação de Mão de Obra do Plano Progredir.

Durante o lançamento, o presidente Michel Temer destacou os avanços na área social e negou que o Bolsa Família irá acabar. “O Bolsa Família é fundamental, mas qual é o meu sonho, o sonho naturalmente dos que estão aqui à frente, e de todos que estão aqui no auditório? É que daqui a, sei lá, 10, 15 anos, que seja, não vou fixar prazo, mas que num dado momento nós venhamos aqui para comemorar a desnecessidade de qualquer benefício de natureza individual, porque todos estarão empregados no nosso País”, afirmou o presidente.

Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento Social, em setembro, 13,5 milhões de famílias foram atendidas pelo Bolsa Família. Ao todo, R$ 2,4 bilhões foram pagos, o que gerou um benefício médio de cerca de R$ 180.

Quem aderir ao Progredir e conseguir um trabalho com carteira assinada e aumento da renda não será excluído imediatamente do Bolsa Família. Segundo o MDS, aqueles que alcançarem renda de até dois salários mínimos continuarão recebendo o benefício por até dois anos.

Para o ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, o Progredir busca avançar para a inclusão produtiva. “A proposta estava sendo apenas a da transferência de renda, mas as pessoas que estão no Bolsa Família querem e precisam progredir. Não é perspectiva de vida de uma família achar que vai ficar vivendo do Bolsa Família para sempre, temos que oportunizar que essas famílias tenham uma renda melhor para si e suas famílias”, disse Terra.

Ascom/Fenavist (com informações do Portal do Palácio do Planalto e do Ministério do Desenvolvimento Social)